26 de mar de 2012

A promessa - Richard Paul Evans


Título nacional: A promessa
Título original: Promise me
Autor: Richard Paul Evans
Editora:
Lua de papel
ISBN:
978-85-63066-69-5
Ano de lançamento:
2010
Lançamento no Brasil:
2011
Páginas:
276
Classificação:

Enquanto estiver lendo a minha história, há algo que quero que compreenda.
Apesar de todo o sofrimento – passado, presente e que ainda virá -, eu não teria feito nada diferente. Nem trocaria por nada o tempo que passei com ele – exceto pelo que, afinal, eu troquei.


Beth Cardall tem um segredo. Durante dezoito anos, ela não teve escolha senão guarda-lo para si, mas, na véspera do Natal de 2008, tudo isso está prestes a mudar.

Para Beth, 1989 foi um ano marcado pela tragédia. Sua vida estava desmoronando: sua filha de seis anos, Charlotte, sofria de uma doença misteriosa; seu casamento transformou-se de uma relação aparentemente feliz e carinhosa em algo repleto de traição e sofrimento; seu trabalho estava por um fio e ela perdera totalmente a capacidade para confiar, ter esperanças e acreditar em si mesma. Até que, um dia extremamente frio, após atravessar uma nevasca até a loja de conveniência mais próxima, Beth encontra Matthew, um homem misterioso e encantador, que mudaria de uma vez só o curso de sua vida.

Quem é esse homem e como ele parece conhecê-la tão bem? Matthew a persegue incansavelmente, mas somente após se apaixonar perdidamente é que descobre seu incrível segredo, transformando sua forma de ver o mundo, assim como seu próprio destino nessa história de tirar o fôlego sobre como o amor é capaz de mudar todas as nossas perspectivas.

Primeiramente quero falar sobre a diagramação do livro que é linda.
Ao início de cada capítulo a página fica tomada por arabescos de flores, que segundo toda minha falta de conhecimento em botânica, devem ser sakuras, mas isso é só um chute.

Agora vou a história propriamente dita.

Beth Cardall é uma mulher com seus quase trinta anos, bonita, e que aparentemente tem uma vida feliz ao lado da filha e do marido, que por ser vendedor viaja demais.

Porém, em uma das voltas do marido ela descobre por meio de um bilhetinho cretino e vulgar encontrado na roupa dele, que ele a trai há um certo tempo.
Paralelo isso, a filha Charlotte de seis anos sofre de uma doença misteriosa que médico nenhum consegue diagnosticar com certeza.

Só que como pouca desgraça é bobagem – e no caso da Beth as coisas só tendem a piorar – além do marido traí-la, ele descobre que está com câncer em fase terminal e que só tem alguns meses de vida.

Em consideração a filha, Beth fica ao lado de Marc até o último suspiro, cumprindo seu dever de esposa até o fim.

Após a morte de Marc, Beth se fecha para o amor, se fecha de um modo tão cheio de amargura que ela não consegue mais confiar em ninguém, e é isso o que retrata o livro: esperança.

Quando tudo parece perdido e sem esperanças, na véspera de Natal Beth vai a uma loja de conveniência e não imagina que dali pra frente sua história será escrita de outra maneira.

Ela conhece Matthew, um jovem inteligente, simpático, moreno, olhos claros – o típico deus grego que todas pedem pra Santo Antônio.

Matthew é um homem apaixonante, e conforme o envolvimento deles cresce, o cuidado com Beth e Charlotte se torna cada vez maior, porém, uma coisa intriga Beth, o fato dele não se deixar entregar fisicamente a relação dos dois.

Ele surgiu de modo inesperado, o amor entre eles (mesmo sem consumação carnal, se é que me entendem) existe de um modo muito intenso, e é isso que torna o livro instigante.
Quando você descobre o segredo que Matthew carrega, e conseqüentemente A promessa, entenderá o porque e Beth passar a viver a vida tão intensamente ao lado do homem que ama e da filha, e as escolhas que ela faz passam a se encaixar.

A presença dele na vida de Charlotte e Beth não muda somente a vida delas, muda toda história, muda o futuro que estava reservado a mãe e filha.

É uma história fantástica, alguns filmes já usaram esse tema base em produções, mas jamais li algo do gênero que me convencesse tanto.
A leitura se desenvolve tão bem que dá pra ler o livro em uma tarde, são 276 páginas que passam voando.

Além dos arabescos que enfeitam cada novo capítulo, temos um fragmento do diário de Beth, e o trecho abaixo, segundo a minha opinião é um dos mais sábios.

"Ódio, ressentimento e raiva são parasitas que
se alimentam do coração até que não haja nada
para nutrir o amor."

Diário de Beth Cardall - página 57

Para quem deseja um livro de amor sem aquele drama adolescente, eu recomendo sim, a história poderia ter sido melhor desenvolvida, mas não dá pra ter tudo ao mesmo tempo.

Acredito que a simplicidade com que foi escrito o tenha tornado tão prazeroso, os personagens são bem construídos mas não são enfadonhos.

É um livro de extremos, você vai do céu ao inferno em segundos, e volta ao céu novamente.

Quando li a última frase, me deu um aperto no coração, um nó apertado na garganta, confesso que embora tenha amado o livro, e por ser mãe entenda as escolhas que ela fez em favor da filha, torcia por um final diferente.

Mesmo assim recomendo, é uma leitura agradável, instigante que você não consegue parar enquanto não termina, e depois do segredo ser descoberto, ahhh, aí você gruda mais ainda os olhos nas letrinhas e quer engolir o livro.

Abaixo, o book trailer pra você se encantar mais com a história.



E vocês, quem leu, gostou?

Beijos